20130618_BRAZIL_EMBED-slide-DOAD-articleLarge

E voltamos com a coluna Ahcido. E misteriosamente me deixaram escrever aqui de novo. Porque eu escrevinho foda para caramba? Maisi e clariu kie sim. E hoje vou falar sobre os guerreiros nórdicos que fazem o Thor parecer uma bichona com martelo, é hora de: Vikings

LEIA OUVINDO O TEMA DE ABERTURA, SÓ PARA DAR O CLIMA

Vikings série da History Channel, criada por Michak Hirst,(quem não conhece, Hirstinho lembram? Tava naquele churrasco de 1998, ah quem não conhece…rs) Na série acompanhamos a historia de Ragnar Lodbrok, nada mais nada menos que a figura histórica que acreditavam ser descendente de Odin, infelizmente até a publicação dessa coluna não recebemos o teste de Dna feito no Ratinho.

Ao longo do enredo vemos o desejo de Ragnar em conquistar novas terras, precisamente alcançar as desconhecidas terras do oeste, para isso conta com a ajuda de seu amigo Flok, que sozinho, eu disse sozinho, sem ajuda de ninguém constrói um navio dragão para navegar até tão, tão distante. Mas a vida de Ragnar não é tão fácil assim, pois para atrapalhar seus planos e até por temer sua ascensão está Jarl Haraldson, (interpretado por Gabriel Byrne), o líder dos conquistadores que usa de seus poderes para atingir seus objetivos. E também temos seu irmão Rollo, que na boa mano, dá para ver na cara que ele é um grande fila da p#*t@, eu tinha matado ele na primeira chance, fica na cara que em algum momento ele vai trai-lo até por sempre querer estar no mesmo patamar e viver no mesmo nível do irmão quando na verdade acaba sempre nas sombras de Ragnar.

Nota importante: Se nada do que eu disse te motivou a assistir a série, dá um ligo na atriz que faz a esposa de Ragnar puxa vida uouuuuuuuuuuu. Sem mais.

Eu chamo esse link de Motivação!

Inicialmente a série me chamou atenção por mostrar os reais vikings e não uma bichona colorida com um martelo. O primeiro episodio começa com uma cena foda de batalha e nego morrendo e sangue voando (caralhoooooooo que loko). Então andando no meio dos corpos quem está lá? Odin! E somente Ragnar consegue ver e você diz paragrafo na outra linha.

– Foda, pronto é isso.

Porém, toda via, com tudo. Pensei que teria mais cenas grandiosas como essa, juntamente com os Deuses a volta, isso até ocorre mas bem menos do que minha expectativas criou, maldito monstro da expectativa. Definitivamente não é esse o foco, o que acaba sendo maneiro e te move a assistir acaba sendo o conflito entre a mitologia nórdica versus a religião católica, o que nos leva ao personagem mais interessante o monge Æthelstan.

Æthelstan teve sua vida poupada por Ragnar e acabou sendo levado como escravo. Os dois acabam criando uma amizade e o monge torna-se um confidente do nórdico. E é muito legal ver a vivência dele em um ambiente totalmente diferente e desconhecido. A série ganha muito mesmo por mostrar como era viver como um viking sob a interferência dos Deuses , toda a mitologia envolvida e a influência de oráculos e videntes malucos. Os rituais, sacrifícios e tudo que envolve a historia é muito maneiro e algo não muito abordado até então. O monge acima de tudo tenta assimilar e viver nessa cultura, o que acaba sendo uma difícil tarefa e o fato de permanecer cristão e não abandonar suas crenças acaba dando um elemento muito bacana na série.

Definitivamente uma série documentário excelente, mais deixa um pouco a desejar em alguns momentos. Acho que faltou um pouco mais de sangue, lutas, mulheres, o Seiya atrás das safiras de Odin, mulheres e mulheres. Eu já disse Mulheres? Por hoje é só pessoal! Se você leu tudo isso essa é a prova que qualquer um pode escrever aqui, é só entrar em contato conosco pelo 0800 renegados. (Preço de uma ligação de fixo para celular na Escandinávia!)

Ass_Cido