Capa Bárbara

Corram para as colinas!

Olá vocês, estou aqui, acompanhada sempre da velha amiga cafeína, então vamos lá!

Falaremos hoje de um assunto bastante comentado no momento: Zombies
Como já devem saber, de um jeito ou de outro, nossos amigos carnívoros sempre acabam desmembrados e com uma fome infinita por carne humana porém, nem só os que se alimentam de nós são zumbis, vou mostrar um pouco da trajetória desse desenrolar.

O primeiro filme foi White Zombie (Zumbi Branco) de 1932, no qual os zumbis são criados por magias vudu, daí pra frente várias maneiras de virar zumbi foram inventadas e adaptadas às séries, filmes, jogos e desenhos/animes.

Para vocês terem noção, até Hitler já foi culpado em um dos filmes por ter criado os zumbis como “arma secreta” para ganhar a Segunda Guerra Mundial e os cientistas responsáveis pela clonagem da ovelha Dolly também. Em Black Sheep (2008), a pobre da ovelha é a responsável por espalhar o vírus, matando as companheiras de rebanho e passando, assim, a matar os humanos.
Uma banda de hard rock também virou estrela de um filme no qual eles mesmos viram zumbis e voltam para se vingar, em um universo bem bagunçado (Hardrock Zombie –  1985).

Muitos filmes já foram criados utilizando este tema e as histórias vão desde vírus, magia negra, invocação dos demônios, mistura com vampiros, radiação por cometas que caíram na Terra, radiação por armas químicas, vingança de espíritos, experimentos alienígenas, palhaços zumbis a até filmes pornô!  Agradam a todos os públicos! (rs)

E, pesquisando sobre o tema, achei um filme brasileiro: A Capital dos Mortos, de 2008. O filme se desenvolve, baseado na visão de um padre, na qual Brasília seria o palco da grande devastação da humanidade, e esse fim trágico seria consequência das ações de alguns homens  feitas gerações antes. Este ultimo nos leva a questionar se realmente não temos devoradores de cérebros em nosso Distrito Federal.

Embora zumbis tenham o aparente papel de nos entreter e nos fazer dar pulos do sofá, os questionamentos quanto a reação do ser humano ante essas realidades nefastas de falecidos errantes e perigosos é sempre uma boa experiência social, tanto nas origens do fato precursor do estardalhaço zumbi, quanto das atitudes tomadas em prol da sobrevivência de indivíduo, grupo ou população.

A evolução dos motivos provém tanto do advento da consciência humana quanto da ciência. Inicialmente tínhamos os motivos mágicos, místicos, com fundamentos e explicações religiosas e, assim como a maioria das vertentes do terror, foi se tornando sedento de explicações mais “plausíveis”, com embasamento científicos ou “pseudocientíficos”, o que interfere bastante na reação do herói e\ou sobrevivente.

Eu não sei se superlotação do inferno ou arma biológica possuem um status de “é melhor se fosse esse”, mas o que eu sei é que um bom pé de cabra ou taco de beisebol ajudaram em ambos os casos rs.

Na próxima semana a gente continua esse café com zumbis, os que estão no top top do momento, ok!? Não se esqueçam de trazer bolachinhas e tacapes ;).

Ass_Bah