Daft_vitrine_pequena

Música é algo realmente fascinante! Podemos explora-la, disseca-la e mesmo assim, fica difícil você localizar uma “Receita Certa” daquela composição ideal que todo músico procura encontrar em uma ou duas músicas do seu álbum, que em suas ambições, o farão brilhar em meio a fãs convictos de que aquela é a música de sua vida, ou a música que simplesmente não se cansa de ouvir.

Pois bem eu tive que invadir a Jukebox Renegada pra dizer que em 2013 uma dupla de indivíduos com elmos maneiros conseguiram um feito que só um seleto grupo alcançou, agradar público e crítica com um disco técnica e musicalmente perfeito! Acompanhem-me por uma breve avaliação de Random Access Memories e constate comigo o porquê deste disco ser tão (parafraseando sempre nosso querido renegado Eric)  Épico!

Daft_post

Antes de qualquer coisa gostaria de adiantar que não sou músico, embora já tenha tido banda, nunca me aprofundei demais nesta área, mas obviamente desenvolvi um lado musical que sem preconceitos tenta verificar o melhor de tudo. Eu já era fã do Daft Punk desde seu segundo álbum o Discovery, que fascinava muito pelo house cheio de elementos disco e ao mesmo tempo aquele ar de música futurista que toda música eletrônica bem composta sabe passar. Contudo em Discovery isso já era homeopático, mas marcante, se você parou para ler este post já deve ter cantarolado “One more Time” alguma vez. Duvido que aqueles acordes e crescentes de teclado não te remeteram a uma discoteca que você nunca foi, mas tem certeza que seria um máximo se tivesse ido.

Certo que o que me chamou atenção inicialmente foi o clipe deste single que era todo feito em anime. Fui fisgado ainda mais quando descobri que este clipe se unia a outras faixas e formava um longa animado sem falas, com toda a história contada através das músicas do álbum. Pra quem ficou curioso a animação é a Interstella 555 the 5story of the 5cret 5tar 5ystem e aos que não viram recomendo que apreciem.

Enfim, o álbum seguinte não chamou muito minha atenção mas acredito que aos amantes do estilo houve uma boa aceitação, em Human after All a dupla franco-portuguesa ou luso-francesa como preferir, em três semanas de estúdio geraram um álbum bem orgânico que enriqueceria sua lista de sucessos com “Technology” e “Robot Rock“. Mas não estamos aqui para fazer o que a Wikipédia já faz muito bem que é dar a discografia destes excelentes músicos mas sim dizer porque Random Access Memories É F@#$% PARA C!@#$!!!

Primeiro de tudo,a mensagem do disco é muito bem transpassada em cada faixa,o trabalho com toque humano que iniciaram de forma não satisfatória Human After All, agora é concluído de maneira precisa em Random Access. Gostaria de dar uma atenção especial ao “Giordio By Moroder“, onde a música se inicia com um trecho de uma entrevista com o próprio Giovanni Giordio Moroder e depois são nove minutos de uma experiência musical espetacular!! Eu evidenciaria ainda o single “Get Lucky” e a música que abre o álbum “Give Life Back to Music” que te impedem de não querer dançar. “Motherboard” então é… bom desculpe, não tenho palavras.

Enfim, não parta desta existência sem ter sua opinião sobre essa obra singular destes robôs em busca da humanidade. Por falar nisso, eles possuem até um filme sobre essa temática, que eu vou deixar o link aqui pra você também se permitir deixar entrar nessa viagem psicodélica, e porque não também buscar sua humanidade?


Até mais e uma boa viagem!

asspdc