ERLADROES

“Eu sou Mason Stark, tenho doze anos e o futuro da humanidade está em minhas mãos”

Sinopse
Num futuro distante, a Terra está em perigo. O motivo é a conquista de um planeta recém-descoberto chamado Nori-Azul. Aquele era o lugar perfeito para uma raça que não cabia mais no próprio planeta. Tão perfeito que também estava nos planos de dominação dos Tremistas, civilização alienígena dona de avançada tecnologia de guerra. Mason Stark, um garoto de treze anos, é um dos cadetes da Academia do Comando Espacial Terrestre, centro de controle das tropas estelares. A rotina de treinamentos no espaço era tranquila até o violento ataque tremista que muda completamente o destino de Mason e dos dezessete cadetes a bordo da nave SS Egito. Cabe a eles uma simples missão: Salvar a humanidade de uma eminente catástrofe.

Resenha
Quando eu leio um livro infanto juvenil, eu costumo voltar minha mente anos no passado para poder apreciá-lo como se fosse um verdadeiro adolescente. E foi dessa forma que eu li Ladrões de Planeta. A Sinopse me intrigou bastante pois gosto de livros em que o personagem jovem é o herói, e nesse quesito não me decepcionei. Mason Stark, um jovem de apenas doze anos é o centro de toda a estória e narrador de toda a aventura.

O leitor é jogado em um futuro (muito) distante. Um futuro em que a terra está com 18 bilhões de habitantes e é obrigada a colonizar outros planetas para que possa sobreviver. Pelos olhos de Mason, vamos conhecendo esse novo mundo e entendendo a realidade. Gostei muito da premissa do livro. A população alcançando um alto nível tecnológico e a sociedade sendo obrigada a mudar radicalmente para que possa continuar existindo é muito interessante. Religiões, raças étnicas e classes sociais nem são citadas no livro. Um grande ponto positivo é o fato de transformar os adolescentes em pequenos adultos. Lembro que quando eu tinha a idade de Mason, tudo o que eu queria era ser tratado mais como adulto e menos como criança. Conforme você vai conhecendo a fundo o personagem principal, mais você vai se afeiçoando e torcendo para que tudo dê certo.

Aos poucos você vai conhecendo os personagens secundários, entendendo a trama, entendendo o inimigo e enxergando o tamanho do problema. Por ser uma ficção você acaba aceitando de braços abertos tudo o que o autor coloca. Novas civilizações, novas armas, novos planetas e até mesmo uma revelação surpreendente no final do livro sem nenhuma dica anterior é assimilada facilmente. A minha maior critica fica com o personagem principal. Mesmo eu simpatizando com a ideia de transformar um adolescente em um herói, as vezes o autor tenta empurrar o heroísmo de Mason goela abaixo.

Sabe quando você está assistindo um filme e o personagem sai de uma situação difícil e cai em uma pior ainda? Ao que parece, o autor Dan Krokos é fã desse tipo de narrativa, pois quanto mais Mason Stark tenta resolver um problema, mais ele afunda em um maior ainda. Algumas das situações acontecem somente para forçar um ato corajoso dele, transformando Mason em um imã de problemas mesmo não se encaixando no momento ou não de uma forma natural. Mas com o decorrer da narrativa, você acaba se acostumando com a síndrome de super man de Mason e vai se interessando pelo desfecho da estória sem se preocupar pela forma como ela está sendo conduzida.

O livro ganha pontos pela expectativa. O autor deixa um milhão de pontas soltas que aguça nossa curiosidade e continuamos torcendo por Mason Stark e sua tripulação. O segundo livro promete ser muito melhor.

ASSMIKE
Sigam o Mike no twitter: @viciadoemler