“Lembre.
Corra.
Sobreviva.”

ERMZ1

SINOPSE
Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar – chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito.

RESENHA
Plong. Mértila. Trolho. Clareano. Aguadeiro. Socorrista. Verdugo.

Sei que essas palavras são estranhas, mas ao terminar de ler o primeiro livro da série Maze Runner elas serão comuns em seu dicionário. O Autor James Dashner sem nenhuma explicação prévia as coloca em sua estória e o mais impressionante é que ao decorrer do livro elas fazem sentido.

Comecei lendo Maze Runner com uma expectativa muito grande. Foram várias indicações de amigos e o anúncio do filme para o ano de 2014. Tenho que ser honesto e dizer que mesmo sendo um livro infanto juvenil, não é fácil de se ler. Como eu comentei logo acima, são várias palavras estranhas colocadas em um ambiente totalmente novo e confuso, e você demora um tempo para se adaptar a tudo isso.

Mas eu aconselho, aconselho não, peço encarecidamento que vocês passem por esse começo confuso e continuem lendo porque vale muito a pena. Parece que de uma hora para outra você começa a entender tudo. Aquele trecho la no começo que não fez nenhum sentido quando você leu, você acaba descobrindo que ele faz todo sentido do mundo.

Dito isso, eu gostaria de falar do personagem principal, Thomas. É pelos olhos dele que a estória é contada e são os sentimentos dele que você acaba sentindo. Eu adorei o Thomas. Desde o começo o autor consegue passar a insegurança, suas dúvidas, todas as suas emoções de uma forma bem clara, inclusive a obsessão inexplicável dele de sair do labirinto. Por mais que ele seja o personagem principal e toda a trama seja baseada em suas ações, você sente medo por ele. Não é certeza de que ele chegará ao final e na minha opinião isso é fenomenal.

Tenho duas pequenas críticas ao livro: A primeira é o começo que chega a ser chato, mas como disse antes vale a pena insistir e acreditar na obra. A Segunda são alguns personagens importantes que são colocados de forma repentina ou forçada pois ele é essencial para o desenvolvimento. Mas deixo bem claro que nenhuma dessas críticas diminue o valor da obra ou sua intensidade.
A minha maior preocupação agora é em relação ao filme. Pela complexidade e detalhamento do livro creio que a adaptação não será simples. Mas com certeza estarei no cinema no dia do lançamento. Afinal… EU QUERO VER UM VERDUGO!

Indico com todas as minhas forças. Leiam.

ASSMIKE
Sigam o Mike no twitter: @viciadoemler