DSC06507

É, depois de um bom tempo voltei, pra voltar a falar sobre as coisas da vida RS
Acho que essa coluna vai ser um pouquinho diferente, não vou expressar minha opinião sobre um determinado assunto, vou falar sobre mim, uma coisa bem pessoal mesmo. Então, espero que gostem :3

Tenho essa mania em mim de sempre fotografar quase todos os momentos que eu vivo, posso dizer que é uma espécie de hobby já que não sou tão boa assim em tirar fotos, o fato é que tenho vivido ciclos de tamanhas dimensões e nada tenho feito para gravar isso a não ser fotos que não me dizem como eu me senti, eu posso perder a memória ou achar que sei como me sentia, mas a verdade é verdade no exato momento que é vivida.

Quando eu comecei a escrever aos sete anos de idade, amadureci escrevendo como se fosse uma espécie de diário, e depois que cresci, comecei a ler muito, conhecer mais ainda, e meu olho ficou tão grande, e a percepção também, que acho que fiquei boa em inventar coisas, ou reformulá-las, “usar a mentira para dizer a verdade”, linhas cheias de ficção, ou reinvento coisas por cima de algumas verdades do meu cotidiano, mas nada mais era puro, embora parecesse tão intimo, tão meu, pois era, mas não uma construção a flor da pele, sentida, ouvida, faz muito tempo que não escrevo nada que eu própria tenha sentido todo o cheiro.

Tenho presenciado coisas tão lindas e tão horrorosas na minha vida, nos meus dias, que eu tenho certeza que seja realmente um sonho percorrendo em trilhos estreitos, subindo montanhas e montanhas e eu mal consigo ver de onde vim. Neblina, neblina…
“Gentileza gera gentileza” amigos.

Eu sempre me considerei um pouco inocente, ou não sei se essa é apalavra, eu só não consigo entender ou acreditar quando as pessoas fazem muita maldade, e são mentirosas, e ai eu comecei a acreditar, ou me enganar, que elas não dão conta de que estão sendo tão sujas, ou então que elas gostam, e que há pessoas que gostam de viver de umas maneiras completamente estranhas e doentes, eu devo ser uma delas. Só não consigo ser tão doente ao ponto de carregar maldades dentro de mim.

Estou em uma roda onde nunca vi tanto egoísmo, desconstrução, machismo e vulgaridades.Estou passando por uma fase de aprendizados, onde ceder, foi a coisa mais importante nesses trilhos. Ceder, eu achava que cedia. Cedia sim, pra mim mesma, sempre. Eu achei que aprendi tanto da vida, por mim, pra mim, cuidado pra não se magoar acima de tudo e de todos. E eu queria ser tão sozinha, não me apegar a nada, e eu sei que faço isso muito bem, Foram anos aprendendo, e quando eu vou dormir e vejo que as pessoas que mais amo estão longe de mim, eu só consigo sentir que fui tão egoísta e estúpida que nem sequer soube como passar isso para as pessoas como se fosse ficção, é tão real. Eu penso que tive que ceder, muito além de mim mesma, não para um eu próprio, por nós, pela vida que uni sem explicar porque, ceder além da minha própria Mão protetora que me cobria das dores que eu tenho medo de sentir novamente. Abro minha Mão, respiro, e cedo, para sonhar algo mais que não seja eu.

Volto,serena, pensando que por pior que fosse a decepção que tive no rio, eu não estaria sozinha nisso nem que quisesse, e que se eu tivesse sozinha como desejei estar, seria algo triste, como não ter quem abraçar e chorar junto, mas não foi triste, não é, é lindo, pleno, é a vida tendo que ser o que é pra ser, é força.

20131120_182309

Em são Paulo, na minha cama, o mesmo teto, a mesma parede que eu pintei, desenhei, as mesmas fotos no mural, meus antigos troféus, meus livros, meus cadernos, a cortina branca na janela, a chuva, a temperatura agradável. Nada mudou, as pessoas continuam com os mesmos hábitos, comprando as mesmas coisas, com as mesmas reclamações, alegrias e etc. Isso  é  tão estranho pra mim as vezes , que me da uma tristeza estranha. Eu corro sonho, sim! Mas eu não posso sonhar pelas pessoas, mesmo que as ame, eu não posso sonhar por elas achando que isso vai ser melhor para elas, cada um opta pela vida que tem isso é obvio, e eu não posso continuar querendo a vida toda sonhar sonhos que não são meus, querendo que fossem deles. Tive que ceder mais uma vez e entender que está na hora de abandonar essas vidas extras que carrego nos ombros. Eu não posso querer forçar e mostrar a elas que a vida pode ser mais bonita. Eu não posso querer conseguir isso pois quando eu conseguir, fecharão os olhos e não verão nada do que eu desejo que vissem.

As pessoas envelhecem, eu volto, e as vejo cada vez mais velhas, doentes, na UTI, tomando seus calmantes, carentes, e não importa aonde eu vá, a realidade é essa, perderei essas pessoas um dia e vou ter que ceder de novo, pois a passagem continua independente de meus traumas e minhas dores.

Eu devo frustrar por não poder tornar as coisas melhores, por ser tão fechada ao ponto de não conseguir demonstrar esse amor louco que tenho dentro de mim. Acho que esse sempre foi o problema, amo as pessoas demais, ao ponto de me sentir mal, enjoada, fraca, e tive que aprender esconder isso de alguma forma porque pisaram muito em mim, na minha boa vontade, por isso por muito tempo desejei ficar só. Eu não tenho medo das pessoas, tenho medo do que eu sinto por elas e assim pelos problemas que arrumamos como indivíduos falhos, diferentes, egoístas, orgulhosos e sensatos.

Well… Espero que tenham gostado (ou não), nos vemos na próxima e ainda espero que vocês deem opiniões sobre os temas viu?!

ASS